O Museu da Imagem e do Som do Ceará (MIS-CE) realiza neste fim de semana uma programação com falas abertas. Na sexta-feira (23), haverá a roda de conversa “Democratização da Comunicação – A experiência das rádios comunitárias em Fortaleza”, com Agnaldo Aguiar e mediação de Zoraia Nunes. No sábado (24), haverá a aula aberta “Quilombo Cearense”, com Guilherme Marcondes, Hailla Krulicoski e Maíra Abreu Rocha. Além disso, o MIS segue com três exposições abertas. O Museu funciona de quinta a domingo, das 13h às 20h, com acesso às exposições até às 19h30. Toda a programação é gratuita. O MIS integra a Rede Pública de Equipamentos Culturais da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult Ceará), com gestão em parceria com o Instituto Mirante.

Roda de Conversa: Democratização da Comunicação – A experiência das rádios comunitárias em Fortaleza

No mês em que é celebrado os 100 anos da história do Rádio no Brasil, o Museu da Imagem e do Som do Ceará volta seu olhar para a relação entre memória, resistência e luta democrática que se construiu através desta mídia. Em uma relação direta com a efervescência dos Movimentos Sociais Urbanos e tendo a democratização da comunicação como uma das principais pautas, surgem, na década de 1970, as Rádios Comunitárias. Fortaleza se tornou protagonista nesta práxis e a Rádio Mandacaru FM foi uma das experiências mais longevas e exitosas.

Para discutir, refletir, relembrar e reacender a luta pela democratização da Comunicação no Brasil e a Comunicação como um direito humano, a roda de conversa será com Aguinaldo Aguiar, um dos articuladores da criação da Rádio Mandacaru FM e que atuou fortemente no seu dia a dia. Há mais de 3 décadas ele atua como liderança comunitária da SERI e como agitador cultural e ambiental. A conversa será mediada por Zoraia Nunes, diretora adjunta do Museu da Imagem e do Som do Ceará, mestre em comunicação e pesquisadora das relações entre movimentos sociais e mídia. A programação acontece na sexta-feira (23), às 18h, na Praça do MIS. A entrada é gratuita.

Aula aberta: Quilombo Cearense

A partir de uma pesquisa de pós-doutorado realizada no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará, desdobrada em pesquisa de Iniciação Científica, a exposição Quilombo Cearense, entre os meses de dezembro de 2021 e abril de 2022, reuniu obras do acervo do Museu de Arte Contemporânea do Ceará e de artistas convidadas que, a partir desse recorte, lançaram luz sobre o processo de construção da memória artística de artistas não brancos que compõem o acervo do museu. E convida o público a debater acerca da representação e da representatividade da população negra, indígena e não branca nas historiografias da arte cearense e nacional.

Foram pinturas, instalações, esculturas, desenhos, gravuras e aquarelas, entre obras de Maíra Ortins, Francisco Bandeira, Linga Acácio, Felipe Barbosa, Siegbert Franklin, Jarvis Quintero, Manfredo Souzanetto, Caetano Dias, Efrain Almeida, Herbert Rolim, Simone Barreto, Diego de Santos, Tomie Ohtake, Bosco Lisboa, Thiago Martins de Melo, José Carlos Viana, Marcelo Gandhi, Francisco de Almeida e Rafael Limaverde, do Acervo MAC Dragão, Antônio Bandeira, Aldemir Martins, Chico da Silva e Raimundo Cela, com obras do acervo da Secult Ceará, e as convidadas Maria Macêdo, Maria Cecília Felix Calaça e Terroristas del Amor.

A aula aberta acontece no sábado (24), a partir das 18h30, no auditório do MIS. O evento é gratuito e a entrada é sujeita à lotação do espaço.

Exposições

E o MIS segue com três exposições abertas, sempre de quinta a domingo, das 13h às 20h (com acesso até 19h30).

“Ontem choveu no futuro” é uma instalação concebida pelo artista Batman Zavareze, na sala imersiva (andar -2 do anexo), com projeções que se expandem para todas as superfícies da sala (paredes e chão), mergulhando o público em imagens e sons.

“Leocácio Ferreira – Todos juntos, vamos…!”, com curadoria de Rosely Nakagawa, oferece um passeio pela obra deste fotógrafo que atuou no Ceará nas décadas de 1960-1970 e construiu sua própria câmera panorâmica. Fica no andar +2 do anexo.

E a “Laboratório dos Sentidos”, no casarão do MIS, é uma exposição interativa que oferece vários equipamentos para os visitantes manipularem e experimentarem conceitos relacionados à imagem e ao som.
Para acessar as exposições, é necessário apresentar documento de identificação com foto. Conforme decreto vigente, recomenda-se o uso de máscara de proteção.

Acompanhe a programação do MIS e veja mais informações no site: mis-ce.org.br.

SERVIÇO:
MUSEU DA IMAGEM E DO SOM
Endereço: Av. Barão de Studart, 410. Meireles.
Funcionamento: quinta a domingo, 13h às 20h (acesso até 19h30)
Entrada: gratuita.

PROGRAMAÇÃO ESPECIAL:

– Roda de Conversa: Democratização da Comunicação – A experiência das rádios comunitárias em Fortaleza
Com Agnaldo Aguiar e mediação de Zoraia Nunes
Data: 23 de setembro (sexta-feira)
Horário: 18h
Local: Praça do MIS
Acesso gratuito.

– Aula aberta: Quilombo Cearense
Com Guilherme Marcondes, Hailla Krulicoski e Maíra Abreu Rocha
Data: 24 de setembro (sábado)
Horário: 18h30
Local: Auditório
Acesso gratuito. Aberto ao público por ordem de chegada.

EXPOSIÇÕES:

Abertas de quinta a domingo
Horário: 13h às 20h (acesso até 19h30)
Acesso gratuito.

Laboratório dos Sentidos
Local: casarão do MIS

Ontem choveu no futuro
Local: anexo, andar -2

Leocácio Ferreira – Todos juntos, vamos…!
Local: anexo, andar +2

Endereço

Rua das Amélias, nº 1234 – Bairro
Fortaleza – Ceará

Contato

Receba nossas novidades

Endereço

Rua das Amélias, nº 1234 – Bairro

Fortaleza – Ceará

Contato

Receba nossas novidades

© Copyright 2022 Instituto Mirante. Todos os Direitos Reservados.